RINOPLASTIA, RINOSSEPTOPLASTIA

A rinoplastia ou cirurgia plástica do nariz e a rinosseptoplastia inclui a plástica do septo-nasal, sendo que a primeira de caráter estético e a segunda, estético e funcional. O objetivo da cirurgia é corrigir defeitos que prejudicam a função nasal e/ou harmonizar a forma e o tamanho do nariz com os demais elementos da face e do próprio nariz, de acordo com os padrões étnicos. É importante lembrar que a função normal está na dependência de uma forma “normal e estética”. Enfatizamos que as metes a serem buscadas são a harmonização do nariz com a face e com as partes nasais entre si dentro de um contexto de “aspecto natural”. Deve ser aceito como fatores limitantes certas condições inerentes a cada caso, como espessura da pele (pele grossa), oleosidade, em especial na ponta nasal, impedindo de certa forma a modelagem desejada. Acrescentem-se também outras condições limitantes que se ultrapassadas podem prejudicar a função e mesmo a “naturalidade”.

Todos os aspectos e expectativas quanto a resultados devem ser analisados previamente. Realizamos de rotina fotografias nas quais serão avaliadas junto com as deformidades nasais todas as condições da face e do nariz, em especial as assimetrias, pois muitos pacientes só se darão conta desses detalhes após a cirurgia, passando a valorizá-los de forma não racional.
Na busca de harmonia facial podem ser associados outros procedimentos como correção do mento, orelhas em abano, problemas palpebrais, correção de cicatrizes, etc.

Pré-operatório

  • Fotos de frente e perfil;
  • Não tomar AAS, Aspirina, Buferin e anti-inflamatórios nos 15 dias que antecedem a cirurgia;
  • Exames pré-operatórios;
  • Avaliação cardiológica;
  • Jejum nas 8 horas anteriores à cirurgia.

Anestesia

Será individualizada, e decidida pela equipe de anestesiologistas. O procedimento é realizado, comumente, sob anestesia local com sedação realizada pelo anestesista. Podem-se realizar outros tipos de anestesias quando houver cirurgias associadas. Durante a intervenção cirúrgica, o paciente é monitorado pelo anestesista, procedimento que julgamos de vital importância na condução de nossas cirurgias.

Técnica Cirúrgica

A cirurgia consiste em corrigir distorções como giba-nasal (hipertrofia do osso do nariz), tratamento da ponta globosa, afilamento da pirâmide nasal (dorso do nariz), correção de afundamentos e desvios, bem como elevação da ponta nasal, diminuição ou aumento do comprimento, etc. Na cirurgia são manuseados diversas estruturas e tecidos diferentes (pele, mucosa, cartilagens, osso, vasos,etc). Existem diferentes técnicas para a realização do procedimento, sendo elas abertas ou fechadas em termos técnicos, ou seja, deixando cicatrizes mais ou menos visíveis. A fratura dos ossos nasais na maioria dos casos de rinoplastia quase sempre se faz necessária.

A confecção de um modelo de nariz, conforme de um ator ou atriz, não é factível, (sendo inverdade o que vemos veiculados por revistas leigas).

Internação

A internação recomendada é de 6 a 12 horas.

Pós-operatório

  • 1 – Utilizar corretamente os remédios prescritos na receita em anexo.
  • 2 – É proibido FUMAR ou ficar próximo de quem fuma.
  • 3 – Cabeceira da cama elevada. Não deitar de lado.
  • 4 – Repouso relativo domiciliar. Sempre que necessitar, ande pela casa (48 horas).
  • 5 – Sempre que se levantar, permanecer sentada por 1 minuto antes de andar.
  • 6 – Não se expor ao sol.
  • 7 – Ingerir bastante líquidos; pelo menos 2 Litros por dia: água de coco, sucos, Gatorade ®, etc. Evitar refrigerantes.
  • 8 – Dieta livre, de fácil mastigação e digestão, pobre em gorduras, e rica em proteínas: clara de ovos, carnes brancas, gelatina. Os alimentos devem estar mais frios que o habitual.
  • 9 – Banho “ normal”: água mais fria. Utilizar banco dentro do boxe.
  • 10 – Nunca fazer compressas quentes ou mornas nas áreas operadas.
  • 11 – Fazer compressas geladas sobre os nariz e os olhos a cada 4 horas.
  • 12 – Utilizar roupas de fácil vestimenta e de abotoar. Não utilizar camisa de gola.
  • 13 – Escovar os dentes suavemente.
  • 14 – Não usar óculos por 60 dias.
  • 15 – Não utilizar produtos químicos na face.
  • 16 – É proibido utilizar secador de cabelo ou fazer escova por 30 dias.
  • 17 – Não retirar tampões ou “aquaplast”.
  • 18 – Massagear o nariz conforme orientação do seu cirurgião.

Em caso de desvio de septo, a correção obriga em alguns casos, o uso de um “splint” (suporte plástico) por 15 dias no septo. Tampão nasal pode ser utilizado por 24 horas, em alguns casos por 48 horas.

O edema nasal melhora em mais ou menos 2 meses, sendo que em alguns casos o resultado final só poderá ser avaliado de 6 meses a 3 anos. Porém nada impede que se possa ver algum resultado em 30 dias.

Os tecidos do nariz cicatrizam, muitas vezes por fibrose

Complicações

Todo procedimento anestésico-cirúrgico está sujeito a complicações. A equipe cirúrgica está apta para evitar que aconteça, mas caso aconteça, está apta para efetuar o tratamento. Nas rinosseptoplastias podem ocorrer:

  • 1 – Hemorragias.
  • 2 – Infecções.
  • 3 – Cicatrização viciosa de osso e ou cartilagem (conhecida como “supratip”), que são passíveis de correção. Em alguns casos é necessário mais de uma intervenção devido às dificuldades e peculiaridades de cada paciente.
  • 4 – Depressão do dorso nasal (nariz em sela).
  • 5 – Obstrução nasal devido a cicatrização errônea da mucosa (sinéquias e alterações das válvulas nasais).
  • 6 – Problemas do próprio paciente com tendência a fibrose local e outras alterações cicatriciais, as quais são consideradas complicações imprevisíveis.

As complicações passíveis de nova intervenção cirúrgica giram em torno de 10% dos pacientes.

É extremamente importante entrar em contato com seu cirurgião (e/ou sua equipe) para o relato de qualquer sintoma, pois ele é a única pessoa que poderá lhe tirar dúvidas e prestar as informações adequadas.