ABDOMINOPLASTIA (Dermolipectomia abdominal)

Apesar da evidente variação de beleza ideal ao longo do tempo, o abdome firme, plano e com a cintura estreita tem sido universalmente admirado.

Atualmente muitas mulheres julgam sua saúde, forma física, envelhecimento e sexualidade de acordo com as proporções de seu abdome e mudanças ao longo de sua vida, sendo freqüente a insatisfação com sua aparência física.

A abdominoplastia é uma cirurgia realizada para eliminar o excesso de tecido gorduroso e flacidez de pele, principalmente na parte média e inferior do abdome. Freqüentemente, mulheres que passaram por várias gestações têm uma quantidade excessiva de pele nessa região como resultado do aumento de volume do abdome durante a gravidez.

Na operação, o cirurgião descola a pele do abdome e a estica para baixo, removendo o excesso de pele e gordura. Nessa ocasião também é feito uma aproximação dos músculos abdominais separados durante a gravidez. Desta maneira conseguimos uma melhora da silhueta, com uma cintura mais delicada e bem torneada. Esta cirurgia por si só não constitui um tratamento para estrias, porém se estas estiverem localizadas na porção inferior do abdome, serão removidas.

A cicatriz cirúrgica fica posicionada na parte inferior do abdome, tendo-se sempre a intenção de posicioná-la na região onde o biquíni, ou a roupa íntima, possam cobri-la. A cicatriz da abdominoplastia é definitiva, e a paciente deverá decidir se a flacidez do seu abdome representa uma deformidade física maior do que a cicatriz resultante. Sempre converse com seu médico antes de se decidir; para que ele possa lhe mostrar os potenciais benefícios e limitações desta técnica operatória, de acordo com o seu caso, pois vários aspectos individuais irão influenciar o resultado.

Pré-operatório

  • Não tomar nos 15 dias que antecedem a cirurgia: AAS (Melhoral, Buferin, Aspirina), anti-inflamatórios, fitoterápicos (Kava kava, Ginkgo biloba). Essas medicações alteram o tempo de coagulação do sangue e interferem com alguns anestésicos.
  • Deve-se interromper toda e qualquer medicação para emagrecimento que eventualmente esteja tomando, no mínimo 20 dias antes da cirurgia. Pacientes que utilizam contraceptivos orais podem ser solicitadas a interromper o seu uso por um mês antes do procedimento cirúrgico, assim como as pacientes que utilizam reposição de hormônios femininos.
  • Pacientes hipertensos e diabéticos não devem interromper seu tratamento. Avaliação do Pneumologista e Endocrinologista também será solicitada quando se fizer necessário.
  • As fumantes devem interromper o hábito um mês antes da cirurgia. O tabagismo prejudica a cicatrização e predispõem complicações pósoperatórias como necrose, má-cicatrização e infecção.
  • No dia marcado você não poderá ingerir qualquer tipo de alimento, inclusive líquidos, por 8(oito) horas antes da cirurgia.
  • Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito fartas nas 48 horas que antecedem a cirurgia
  • Deverão ser realizados exames pré-operatórios como sangue, urina, radiografias de tórax, ecografia de parede abdominal, risco cirúrgico cardiológico de acordo com o seu caso.
  • Antes da data marcada você deverá providenciar a cinta, ou macacão modelador, bem como as placas modeladoras, se for o caso. Converse com o seu médico sobre o modelo mais apropriado para você.
  • Serão feitas fotografias para comparação posterior e estudo.
  • Depilar a área pubeana, deixando os pelos o mais baixo possível 3 dias antes da cirurgia.
  • Por fim, programar suas atividades sociais, de trabalho, domésticas ou escolares, com antecipação, para não se tornar indispensável a terceiros devido ao tempo de afastamento que ocorrerá no pós-operatório. Em média, pelo menos 15 dias.

No dia da cirurgia

  • Retire brincos, anéis, correntes e outros objetos metálicos, levando somente o que for necessário.
  • Antes de ir para a clínica realize sua higiene pessoal com bastante.
  • Não faça qualquer depilação na véspera ou no dia da cirurgia, e não utilize maquiagens e esmalte de unha para facilitar a monitorização pelo anestesista.
  • Não se esqueça de levar a cinta modeladora e objetos para higiene pessoal.
  • Comparecer à clínica pelo menos 1 hora antes do horário previsto para a cirurgia.

Anestesia

Será individualizada, e decidida pela equipe de anestesiologistas. O procedimento é realizado, comumente, sob anestesia peridural com anestesista. Podem-se realizar outros tipos de anestesias quando houver cirurgias associadas. Durante a intervenção cirúrgica, o paciente é monitorado pelo anestesista, procedimento que julgamos de vital importância na condução de nossas cirurgias.

Pós-operatório

  • Utilize a medicação prescrita na receita anexa.
  • É proibido FUMAR, ou estar próximo a fumantes.
  • Repouso domiciliar relativo. Sempre que necessitar, ande pela casa.
  • Sempre que se levantar, permanecer sentada por 1 minuto antes de andar.
  • Massagem em panturrilhas 4 vezes por dia nos primeiros 7 dias.
  • Fisioterapia respiratória: 10 inspirações profundas, 4 vezes ao dia.
  • Não se expor ao sol por 3 meses.
  • Ingerir líquidos. Pelo menos 3 litros por dia: água fresca, água de coco, sucos, Gatorade®, etc. Evitar refrigerantes por 30 dias.
  • Dieta livre, de fácil digestão, pobre em gorduras, e rica em proteínas: clara de ovos, carnes brancas, e gelatina.
  • Banho normal com água mais fria. Utilizar banco dentro do boxe.
  • Fazer Curativos dos drenos com álcool 70%, gaze e micropore. Não se preocupe com o volume drenado. Verifique o aspecto para informar ao médico no dia do retorno. Se houver muito volume utilizar fralda geriátrica.
  • Passar álcool a 70% sobre as fitas Micropore após o banho.
  • Utilizar o modelador cirúrgico 24 horas por dia, por 30 dias, e depois somente durante o dia por mais 30 dias.
  • Evitar dobras no modelador – usar a placa modeladora conforme orientação.
  • Se for necessário retirar o modelador, permanecer deitada e sem fazer esforços.
  • Nunca fazer compressa quente, morna ou gelada nas áreas operadas.
  • Contatar seu médico em caso de dúvidas ou qualquer anormalidade.

Complicações Possíveis

Todas as pessoas submetidas a um procedimento cirúrgico estão expostas a um risco de complicações. Este risco está relacionado a uma série de fatores como: ocorrência de doenças crônicas, idade, hábitos de vida, extensão da cirurgia, associações de cirurgias, tratamento cirúrgico de órgãos vitais (coração, cérebro, etc.), entre outros. Portanto todo risco é relativo, e está relacionado a cada indivíduo.

As complicações que podem ocorrer quando se é submetido a uma abdominoplastia são:

  • Trombose venosa profunda e embolia pulmonar. As mais graves. Ocorrem quando coágulos de sangue obstruem os vasos sanguíneos, provocando comprometimento de tecidos e órgãos (pulmão, por exemplo). Para sua prevenção utilizamos medidas que são escolhidas de acordo com cada paciente.
  • Seromas. São o acúmulo de linfa abaixo da camada de pele e gordura descolados na cirurgia.
  • Hematomas. São o acúmulo de sangue abaixo da camada de pele e gordura descolados na cirurgia.
  • Necrose da pele do umbigo, ou do abdome. Mais comum em pacientes tabagistas.
  • Necrose gordurosa. Produz a drenagem prolongada de uma secreção pela cicatriz.
  • Má cicatrização e abertura dos pontos.
  • Assimetrias de cicatrizes, queloides, estenose da cicatriz umbilical.
  • Edema prolongado próximo à cicatriz.

Refinamentos: Toda cirurgia plástica traz em si a oportunidade de refinamentos, pois o cirurgião previdente nunca retira (ou coloca) nada em excesso, já que é preferível fazer um refinamento a ter que lidar com a necrose de um tecido.

Na abdominoplastia o refinamento de cicatriz não é freqüente, mas é possível devido ao fato do comportamento da cicatriz no pós-operatório não ser completamente previsível, sendo influenciado por aspectos clínicos da paciente e fatores relacionados à técnica cirúrgica. É extremamente importante entrar em contato com seu cirurgião (e/ou sua equipe) para o relato de qualquer sintoma, pois ele é a única pessoa que poderá lhe tirar dúvidas e prestar as informações adequadas.